domingo, 16 de dezembro de 2007

Causas Perdidas

Sim, há muitas "causas perdidas" (nobres mas impopulares) neste planeta e o futuro parece sombrio para as próximas gerações, no que toca a recursos naturais, espécies ameaçadas, doenças incuráveis, direitos humanos e dos animais, etc...Que podemos fazer? O mundo é assim e nós os cidadãos anónimos, por muito que gostássemos de contribuir com a nossa parte, não podemos fazer nada, senão ter esperança que as coisas mudem um dia...
Não é verdade! Podemos fazer bastante! "Fazer barulho" compensa! Informe-se, assine petições, faça doações. Aonde? Haverá outros sítios, mas descobri um bastante interessante que aplica a emergente ideia de "social network" (MySpace, Hi5, Orkut, Netlog) - onde se pode alojar uma "homepage", fazer amigos, trocar mensagens, discutir em foruns, etc.
Care2 Make A Difference! por enquanto ainda só em inglês, embora tenha foruns de língua portuguesa, está a crescer e promete ser um dos próximos fenómenos da net, a julgar pela taxa de crescimento.
Mesmo que você, caro leitor, seja daqueles que não têm pachorra para se inscrever como membros de coisa alguma, ao fundo deste blog, lá abaixo de tudo, encontra um painel de "causas preferidas" que pode ajudar, com tão somente um clique do rato. (Ou dois ou três, vá, no máximo - aqui ao lado, ao fundo da barra lateral pode tambem clicar no sapinho para ir directo ao painel "Care2Click" no site deles, em inglês).
É verdade, funciona mesmo! Como? Graças à publicidade que as empresas patrocinadoras aceitam pagar para aparecer aonde vai muita gente, contribuindo com quantias proporcionais ao número de cliques por dia. Marque a página e volte diariamente, pode dar um clique por dia em cada causa. Não custa nada e apazigua a consciência! (porque ajuda mesmo, e sabe tão bem sermos nós a fazê-los pagar, p'ra variar!)
Ah! Não mandem mais cartões de Natal ou de aniversário ou de qualquer outra ocasião senão pela Care2 Ecards e durmam com a consciência tranquila de ter ajudado uma causa nobre, apenas com alguns grãozinhos de areia, mas, por sermos muitos, juntos poderemos criar uma poderosa e eficaz barreira de dunas de areia - contra a indiferença, a ignorância, o abuso, o laissez-faire, e a inconsciência pelas gerações futuras!
Os "sem voz" agradecem.

terça-feira, 4 de dezembro de 2007

Quintay - Costa do Chile


El mar embravecido fue testigo.
Escarpado el cerro se despeña en rocas sueltas,
blanca estación de gaviotas que un día
de los despojos vivieron. Inocentes.

El viento ruge
trayendo del ayer el eco
del gemido de un gigante herido.

La rampa de antaño hiede aún a sangre fresca
y pasos caminan sin pisar
por no borrar las huellas.

Y la ola,
ya no lame, de imponente ballena, los ijares
por arpón avieso traspasados.

No se encanta el oído con el canto
que al hijo llamaba arrullando...
sólo se escucha el fantasmal lamento
en lágrimas de ámbar por su cachalote muerto.

Sobre el montículo de ruinas, pequeñas flores
apenas crecen, reptando
enroscadas en sí mismas
no quieren ver el mar, no miran la luz
ni descansan a la sombra de una estrella.

Sólo viven del recuerdo
de las ballenas muertas.

Patricia Benavente Vásquez

sábado, 27 de outubro de 2007

"arte" Vergonhosa!

Não vou mencionar o nome porque todos conhecem a história que abalou os canais de notícias do mundo esta semana, e o energúmeno já teve publicidade suficiente, o que era decerto o seu objectivo. Cliquem na foto aí em cima ou ali ao lado, para assinar uma petição para contrariar o prémio que lhe atribuiu um júri de iluminadas cabecinhas decerto bem pensantes mas muito mal pensadas.
Lembro-me de nas aulas de Semiologia das Artes, se ter falado num fulano que se lembrou de pegar num urinol, expô-lo num museu e assim e só por isso, lembrou-se também de chamar-lhe arte. É claro que o urinol não podia ser considerado uma obra de arte, mas o facto de se encontrar exposto "para se ver", chamava a atenção das pessoas para um objecto que de outra maneira ninguém prestaria atenção.
Nos "loucos anos sessenta", os hippies punham em palco o sexo orgíaco, "para ser visto". À falta de inspiração artística para fazer algo de novo, até posso entender que Pasolini filmasse e pusesse na tela do cinema "para todos verem", obras escatológicas...
Mas meus caros artistas des-inspirados e demais meninos mal-comportados: não nos ofendam com estupidez, pondo em palco TUDO, e tenham o bom senso de pôr limites ao que deve "ser visto"! Não queremos ver o que nunca deveria ser visto porque nunca deveria acontecer...e fazê-lo acontecer só para ser visto, é a suprema das hipocrisias - por parte de quem grita "hipócritas!"
Caso contrário, porque não pôr em palco violações ou assassínios, ou uma boa duma degolação? De animais? Isso é pouco! De indefesos e fracos, crianças e mulheres! Isso sim, seria arte!
Por Amor de Deus! Tirem-me deste mundo e desta raça de criaturas a que chamam humanos e a que eu, em momentos destes, tenho vergonha de pertencer!
Einstein dizia: "só há duas coisas infinitas: o universo e a estupidez humana, só que a do universo eu não tenho a certeza..."
Só uma coisa me consola: a esperança de que o pobre do bicho talvez tenha sido, numa vida anterior, um malandro como esse, e que numa vida posterior, esse malandro venha a encontrar-se atado e deixado a morrer de fome em público sem que ninguém o ajude...e que nessa altura ou alguma vez, se lembre disso e perceba porquê, e aprenda finalmente a lição!

terça-feira, 16 de outubro de 2007

Novo Video - Wiener Blut

Mais uma produção PK: "Wiener Blut", com fotos de Viena de Àustria, ao som da clássica valsa de Strauss.
É só ir ao blogue "Chuck's Videos", clicar no terceiro "video-player" e escolher o último video que surge na galeria de videos.
Ou, clikaki, praíralí.
Reforçando a inter-clicabilidade dos vários projectos da PK!

Desfrutem!
Caso gostem digam, caso não gostem sugiram novos projectos.


Chuck

sábado, 6 de outubro de 2007

Chuck's Videos

Novo blog, desta vez dedicado aos vídeos.
Link ali ao lado e aqui.
Em inglês, para dar a volta ao mundo.
Visual completamente diferente.
Comentem e divulguem.

Enjoy!

...ou, como diria o Raúl...

Façam o favor de ser felizes!

sábado, 29 de setembro de 2007

Pequenas grandes vitórias

Finalmente consegui!
Se é que alguém se lembra (ou queira lembrar-se), escrevia eu num dos primeiros posts deste blog (já lá vai meio ano!?!): "Adicionei um novo àlbum de fotos [...] Só falta ter conhecimentos suficientes de HTML para pôr os ícones dos àlbuns uns ao lado dos outros..." - Pois é; vitória!
Já tá! Não foi fácil, mas finalmente começo a perceber como funciona esta linguagem de programação para websites da internet - para quem não sabe, Hyper Text Mark-up Language.
Vai dando jeito hoje em dia, sobretudo para quem se estreia nos meandros da net e aspira publicar em "multi-média".
Para quem não está "nem aí", fica apenas o registo de (mais) uma pequena vitória. Daqueles pequenos passos que, ao serem muitos, vão permitindo avançar.
Como disse Neil Armstrong, os pequenos passos para uns, são saltos de gigante para outros.
Ou qualquer coisa assim parecida; não cheguei (ainda) à Lua nem a Marte, mas quem sabe um dia...
Felizes surfadas, amigos internautas!
E obrigado por visitarem o blog, sobretudo aos regulares!

domingo, 23 de setembro de 2007

Novo vid-clip musical no youTube

Um dos primeiros vídeos da PK publicados no youTube, imagens de Sintra ao som do fado Samaritana, interpretado por Nuno da Câmara Pereira - foi a música que na altura as imagens me sugeriram - foi comentado em termos ordinários por um (presumível) estudante, ofendido com a adulteração do fado de Coimbra. "Quié isto? Qualquer dia, ..." polvilhado com palavrões. (Cá p'ra mim, a seguir a uma bebedeira das antigas). Eliminei o comentário (volta censura, tás perdoada) e bloqueei o sujeito.
Vasculhei nos arquivos da PK, um vasto acervo de músicas de todo o mundo e de todos os tempos, que a PK está a publicar no Chuck's Music Blog, até encontrar Samaritana interpretado à boa maneira de Coimbra. Não resisti e fiz outro vídeo, desta vez com a Samaritana como estrela visual - os desenhos e as pinturas da "plebeia de Sicá" abundam na net, algumas fontes de Coimbra e arredores (incluindo a Fonte Samaritana - que ignoro se ainda existe) e os (quase todos) educados estudantes de Coimbra.

Enjoy!

Coimbra - Samaritana

terça-feira, 18 de setembro de 2007

Setembro

Setembro, nono mês, três quartos do ano.
Uva madura, ano maduro.
O Verão despede-se e anuncia o Outono, acima do Equador.
(Despede-se o Inverno anunciando a Primavera, abaixo.)
Algo muda, com o novo ângulo de incidência dos raios solares.
É dourada a maturidade do ano.
Ia lembrar de tudo o que ficou por fazer no Verão passado,
Que agora, só pró ano...
Mas voltou a preguiça!

"Wake me up when September ends"...

September Morn - Neil Diamond






C'est en Sétembre - Gilbert Bécaud




quinta-feira, 2 de agosto de 2007

That's the Spirit!

Numa ilha do Mar do Norte, nas duas margens dum grande rio, quando este se prepara para se dirigir para o mar, onde a extensa planície faz uma ligeira cova, tomou em tempos forma, uma povoação, hoje uma grande metrópole que, por acaso ou circunstância, atraiu e atrai populações migrantes de toda a ilha, das ilhas circundantes, do continente que lhe está próximo e mesmo de todo o mundo, e que no entanto, mantém uma identidade própria, bem definida - embora difícil de definir com palavras. O continente chama-se Europa, essa ilha chama-se Inglaterra, o rio é o Tamisa, e a cidade de que vos falo, é Londres.
As suas ruas, como os seus céus e as águas do rio, são quase sempre de um tom de cinzento sujo. (Não se infira no entanto, que haja mais ou menos sujidade do que em qualquer outro lado). A briza sopra um cheiro a rio e docas antigas, pelas suaves colinas sobranceiras. Colinas? Ligeiras elevações de terreno que nem de colina merecem o nome - mas os habitantes chamam-lhes "hills", com pompa e orgulho.

Talvez o que melhor defina Londres é a sua multi-culturalidade, o seu "melting-pot" de todas as culturas do mundo; mas dizer isso é ficar aquém duma definição concreta. Seja o que fôr que defina a cultura inglesa urbana, nomeadamente da sua capital, sejam quais forem os elementos que compõem o propalado "Spirit of London", esteja ou não ameaçado pelo multi-culturalismo, este, já é parte integrante do "spirit".
Levando um passo adiante o multi-culturalismo, ele transformou-se em universalismo. Não, não se trata da malfadada globalização.
As ruas, as pedras, os telhados, os cheiros, as luzes, as sombras, alguma da sonoridade, da capital inglesa, constituem o que poderia ser definido como um típico tecido urbano humano, com as marcas do tempo deixadas pelas épocas históricas que assolaram a europa, desde o Império Romano, até aos nossos dias. Com o seu lado industrial e impessoal, mas também, com o seu lado humano. E mesmo que diferente ou específico - tanto mais humano. Com um cheiro a liberdade que alguns invejosos gostariam de eliminar. Com construção de betão e de pedra, mas com seus parques, e jardins, e relvados. Com clubes e condomínios fechados, mas com seus concertos e museus abertos ao povo. Com sua música de rua. Com turistas de todas as proveniências. Com comércio aguerrido, mas não agressivo. Com o melhor de todas as gastronomias do mundo. Com bêbados quezilentos. Com a rainha por vizinha. (Adeus, Betty!) Com a sua cordialidade e o seu orgulho, pompa e circunstância. Com o seu humor. Com o seu bairrismo. Com suas histórias carpidas da História que se derrama de cada esquina e de cada recanto.
Suas chaminés de fuligem ("oh, roofs of Chelsea", como dizia o poetinha) e seus edifícios de vidro cristalino. Seus imponentes relógios de rua e essa mania de conduzir do lado errado, argumentando que é o lado certo, pois é o lado da espada!
(Essa é a explicação dada por alguns historiadores, confirmada por um taxista de Londres - que melhor autoridade? - para a condução do lado esquerdo da via: provém dos tempos em que era perigoso darmos o lado desarmado aos cavaleiros com que nos cruzássemos, ao viajar pela estrada. Poderá não ser definitiva, mas é de todas as explicações que ouvi, a melhor.)
As histórias universais da luta entre o progresso desmesurado e a atenção devida ao lado mais calmo da vida, estão patentes e gritam, nesta cidade. Os bairros das formigas e os das cigarras, convivem lado a lado, e não deixam de se visitar, nem caem na tentação de mutuamente se ignorar.

É esse o espírito indefinível de Londres: histórias aduzidas da História, todas as culturas "derretidas" numa só e universal cultura, e o dilema de todas as civilizações: face a um problema, ter que decidir entre fazer algo ou não fazer nada. Há argumentos a favor e contra. Ao contrário do que possa parecer lógico, não fazer nada pode ajudar a resolver um problema (ou pelo menos a não piorá-lo), mais do que fazendo algo, só por questão de se fazer seja o que fôr...
Eu proponho que se faça algo, sim, para se resolver os muitos problemas com que nos deparamos, como indivíduos e como sociedade, mas não nos esqueçamos de fazer o possível para evitar os atropelos...
Haja trabalho, diligência, iniciativa, luta, desgarra e regateio, ao bater pontual e inefável das badaladas dos (vários) "Big Bens" - mas não se esqueçam de ir dar de comer aos pombos da escadaria da Catedral de S. Paulo: é barato ("only tuppence"), descansa e faz bem à alma, e...pode ser a qualquer hora! Pode demorar cinco minutos ou um dia! Pode ser repetido, continuado ou intervalado! Pode ser quando apeteça, mas que seja alguma vez!

Cheerio! That's the Spirit!

quarta-feira, 11 de julho de 2007

As Maravilhas do Mundo

A expressão inglesa "wonder" não tem tradução e tem duplo sentido. Maravilha aproxima-se de um dos sentidos: aquele que sugere um estado mental de alegria ou extase perante algo que excita os sentidos e o intelecto, apresentando-se a ambos como totalmente novo; mas não diz nada do segundo sentido, aquele que designa uma inquietação, um auto-questionamento, uma dúvida, uma desconfiança. (O simples "I wonder" traduz-se mais fielmente pelo complicado "pergunto-me a mim mesmo...") De qualquer modo, o verbo "wonder" implica questionar; aplicando o segundo sentido ao primeiro (inevitável quando a palavra é a mesma e os sentidos são afins), então a questão, a inquietação, a dúvida, torna-se: como é possível? com que artes? com que segredos? com que autoridade alguem ousou desafiar leis da natureza, com que engenho se construiu tal obra? Que mistérios estão por detrás deste fenómeno?
Na Grécia Antiga, as sete maravilhas do mundo não eram mais do que itens de uma lista de pontos de interesse turístico: "theamata" - coisas a não deixar de ver, para quem se aventurasse em viagem pelo mundo - mundo que para os gregos não ia muito mais além da bacia mediterrânica e do médio oriente. O número sete surge apenas por razões de maravilhosa conveniência. (Nem ele deixa de aparecer, onde há mistério...!)
O tempo destruiu todas menos uma, outras talvez nunca tenham passado de lenda.
O mundo moderno não se compadece com tal falta de maravilhas, até porque maravilhas não faltam. Naturais ou construidas. Divinas ou humanas. Espontâneas ou científicas. Mas sempre misteriosas, embora o mistério de algumas seja tão óbvio que se torna ainda mais misterioso porque razão nos maravilham tanto.
A lista foi reconstituida, e já se anunciam mais listas.
Não se fiquem pelo boneco.
Viajai e ide vê-las!
As longínquas e as que estão perto, com viagens curtas ou compridas, caras ou baratas, cansativas ou relaxantes; até ao outro lado do mundo ou do universo, do vosso quarto, ou da vossa mente...mas ide, ide ver e sentir com os vossos próprios olhos e demais sentidos, todas as maravilhas que há no mundo! ...E perguntai-vos ("and wonder"): Como? Como é possível...?

domingo, 24 de junho de 2007

Outro poema

A pedido de vários comentaristas, um poema - não novo, mas menos conhecido: a apologia da Cigarra - do poeta brasileiro Mário Pederneiras.

A CIGARRA E A FORMIGA

Dona Formiga
Pertence à classe das senhoras sérias,
Tem cuidado da casa e do alimento;
Não fala muito, muito pouco briga,
Tudo o que faz é com discernimento
E, enfim, não gosta de passar misérias.

Além de tudo, é de ambições modestas,
Todo o seu bem, no seu labor converte,
E faz da vida ideias esquisitas…
Não faz visitas…Não se diverte…
Nunca se viu Dona Formiga, em festas!
De tanto se ocupar da vida e do futuro
E tornar o labor mais sério e duro,
Chega a ficar grotesca e cómica!

Pois, mesmo assim, nos amplos e maçudos
Livros morais, de exemplos e de estudos,
Com que, da infância, o estímulo se apura,
Ela figura
Como um sólido exemplo de económica:
Trabalha muito no pesado Estio,
Porque receia
Que o Inverno venha achá-la desprovida.
Por isso, quando chega o frio e cessa a lida,
Já ela está...com a despensa cheia!

Dona Cigarra - essa? Coitada!
Não vale nada,
Entre as pessoas sérias!
É a pobre infeliz que dá lições de canto
E que o Verão inunda
A sua alma de estroina e vagabunda…
Entretanto, Dona Cigarra, eu sei - passa misérias.
É da boémia a mais perfeita imagem,
Adora a luz e mora na folhagem…
E tal a vida é, tal a aceita,
Sempre de sonhos e ilusões repleta…
Dona Cigarra, até parece feita…
Da própria massa, de que é feito o Poeta!

Passa o Verão… E o véu do Estio,
O tempo, sobre o Céu e a Terra corre;
Torna-se a Vida mais penosa e séria…!
Dona Cigarra não resiste ao frio
E coitadinha, morre…!
E morre, quase sempre, na miséria!

Contam, que um dia,
Morta, do Sol, a límpida alegria,
Sem luz para cantar,
Como fizera no Verão inteiro,
Fora à Formiga, em prantos, implorar
Um pedaço de pão do seu celeiro…
Como a Formiga, então lhe perguntasse,
Onde se achava e o que fizera,
Na estação passada,
Honestamente, …disse, que...cantava…!
Pois a malvada,
Sem dó da mísera mendiga,
Quase morta de fome e já sem voz,
Numa ironia desumana e atroz,
Mandou que ela dançasse…?!

Por isso, é que eu não gosto da Formiga!

Mário Pederneiras
in Ao Léu do Sonho e à Mercê da Vida, 1912

sábado, 16 de junho de 2007

DIA DE ANOS

Com que então caiu na asneira,
de fazer na quinta-feira,
vinte e seis anos! Que tolo!
Ainda se os desfizesse...
Mas fazê-los?... não parece
de quem tem muito miolo!
Não sei quem foi que me disse
que fez a mesma tolice,
ainda no ano passado...
Agora, no que vem, aposto,
como lhe tomou o gosto,
que faz o mesmo. Coitado!
Não faça tal; porque os anos,
que nos trazem? Desenganos!
Que fazem a gente velho;
faça outra coisa!...que em suma,
não fazer coisa nenhuma,
também lhe não aconselho.
Mas anos, não caia nessa!
Olhe que a gente começa,
às vezes por brincadeira,
mas depois, se se habitua,
já não tem vontade sua,
e fá-los, queira ou não queira!

João de Deus

quinta-feira, 7 de junho de 2007

Hino ao Verão

O Verão está à porta,
O calor já chegou!
Tirem a roupa,
Abram os recantos,
Arejem os corpos e se possível as almas!
O ar aquece.
O verde amadurece em vermelho.
O sol abrasa e abraça.
Canta cigarra o teu hino!
Haja festa, patuscada, arraial e romaria.
Já lá vai o Inverno triste,
Haja lugar à alegria!

terça-feira, 29 de maio de 2007

30 de Maio - Greve Geral!

Pela greve!
Pelo direito a ela e ao seu exercício, como forma de pressionar o empregador a prescindir uma parte dos seus lucros para melhorar as condições de vida ou o simples poder de compra dos seus assalariados.
Claro que ela só funciona se houver solidariedade entre todos, e funcionaria melhor ainda se a comunicação social não insistisse em chamar greves a meras paralizações temporárias - até os sindicatos já o fazem (ai, idos dos anos 60 e 70, de que já ninguém se lembra...!).
Aos que estão por conta própria, a menos que tenham problemas de esquiziofrenia do tipo "Olívia Patroa e Olívia Empregada", o assunto torna-se mais claro: as despesas com salários e condições são investimentos a longo prazo, que a todos irá beneficiar, pois fará crescer a economia.
Historicamente, já se exagerou para os dois lados: com ambas as partes exigindo preços demasiado altos ou demasiado baixos, conforme se trate do patrão ou do proletário. Os estratos sociais baixos não têm nada mais para vender senão a sua força de trabalho, já o explicou Marx, por isso, como qualquer comerciante, têem o direito de pedir o preço que acharem justo. É certo que as condições de mercado nem sempre permitem obter o proveito que achamos justo - mas prescindir de parte dos ganhos em prole do bem de todos, incluindo nós próprios (e com despesas não só salariais, mas também, já agora, ecológicas), penso que deve ser a atitude mais lógica e racional de cada uma das partes.
Trasladando a visão macro-económica para a micro: até o dono de uma quinta de animais sabe que se não der as melhores condições possíveis aos seus animais eles farão "greve" (nem precisam!), e os produtos finais não terão qualidade, baixando também os lucros. Não é chantagem - é a natureza das coisas.
Já o ser humano tem de fincar o pé, e fazer valer a sua posição.
Desde os primórdios da revolução industrial que os estratos sociais baixos se tentam libertar duma escravatura do trabalho que não dignifica, não compensa, não gratifica e quantas vezes, mal dá para alimentar a prole. Entretanto as condições melhoraram e a burguesia (entenda-se: o estrato social médio, desde o remediado ao abastado), cresceu e contribuiu para o crescimento económico alargado, a nível mundial. É esta visão "macro" que há que ter. Os grandes lucros a curto prazo, não beneficiam ninguém, nem o próprio"dono" do lucro, a médio e longo prazo.
Algures entre o ano 2500 e 5100, prevejo que a burguesia abranja 99% da sociedade, possa trabalhar 9/10 meses por ano, 3/4 dias por semana, 3/5 horas por dia, e ganhar o suficiente para consumir e desfrutar gastando milhares de unidades monetárias em despesas de lazer - as necessidades básicas estarão, é claro, mais do que asseguradas para a maioria da população mundial!
Até lá, a "maria patroa" e a "maria empregada" continuarão a degladiar-se - e a ter de negociar - por melhores condições para todos.
É hora de Greve? Faça-se Greve!

Ass.: Carlinhos Auto-Patrão
(Pré-aviso: amanhã não haverá posts novos nos blogs!)

domingo, 27 de maio de 2007

"Trailers" do "Piratas"

A terceira parte do "Piratas das Caraíbas" estreou no passado 25 de Maio. Vejam os "treilas" lá em baixo no blog \/ (clique em Video Playlist para escolher um entre os sete trailers disponíveis), e...vão ver o filme que é um espectáculo!

quinta-feira, 17 de maio de 2007

Cantei!

Diz o povo: "Quem canta seu mal espanta!"
Digo eu, haverá muitas maneiras de "espantar" os males, mas de facto cantar é das melhores!
E quem ouve quem canta, sente isso, reagindo de duas maneiras: bem, aproveitando para também espantar alguns males; mal, porque chateia saber que outros o estejam fazendo.
Quem canta viaja, teimando estar longe. No fim, volta - mas que foi, foi.
Cantar em côro, afinando timbres, sincronizando tempos, é energizar um "espanta-males" tão potente, que dura várias horas, ou mesmo dias!
Uma plateia normalmente contribui para essa energia, beneficiando dela - mas as actuações em público não são cruciais, nem sequer a parte mais interessante - são apenas um convite para tomar parte dum "espanta-males" generalizado, abrangente, possante, que meta de facto medo ao mal, relegando-o para o reles buraco da não-existência, onde pertence.
A alegria assusta a tristeza, que pretende dar ares de forte, mas é assustadiça.
Desde pequeno que o meu sonho é cantar.
Cantei.
"Cantando espalharei por toda a parte, se a tanto me ajudar o engenho e arte!"
Mais: "Chorei! Mas ali onde eu chorei, qualquer um chorava! Dar a volta por cima, que eu dei, quero ver quem dava!"
Com o vibrar da minha voz, "vibrai, senhores, com esta Lisboa doutras eras!"
"Guitarra canta baixinho..."
"Cantarééééééé...cantaré!"
Cantei e cantarei.
"Até que a voz me doa!"

- Luciano Carlotti

terça-feira, 8 de maio de 2007

Construindo o Blog de Música

Pois é...a ideia é engraçada, mas está a dar mais trabalho do que pensava...
Não é que canse, pois "corro" por gosto, mas não sobra tempo para outras coisas!
Não deixem de visitar o Chuck's Music Blog e voltar a ele regularmente: nele estou a publicar quase diariamente, grande parte da minha colecção de ficheiros audio, e alguns ficheiros vídeo musicais, organizados por categorias - uma nova categoria, por cada novo "post". Ah! e mandem "feedback": "gostei!", "tá mal!" - manifestem as vossas opiniões através de comentários ou mails, por favor.

Saudações musicais a todos!

Chuck

Frase lapidar: "Quem canta, seu mal espanta!"

domingo, 29 de abril de 2007

Novidades no Blog do Chuck

Adicionado ao Blog:
Pesquisa Google directamente desta página, com o patrocínio da Google.
Mais dois links: "Musicovery - Interactive webRadio" - escolhe o tipo de música que te apetece ouvir e "Wikipedia" - a mais completa enciclopédia da net, onde todos podem sugerir contribuições.

sábado, 28 de abril de 2007

Novo Blog do Chuck

Blog do Chuck sobre música, em inglês (para apelar a uma mais vasta audiência), ainda com fraco conteúdo - está no começo. Espera-se que vá crescendo, por isso, voltem com frequência aos blogs. Está nos projectos que venha a ter músicas clicáveis, como ilustração àudio. Os pormenores técnicos para esse efeito estão a ser deslindados. Nessa altura também este blog terá música.

Voltem sempre!

Charly Blog

Chuck's Music: http://chucksmusic.blogspot.com/

quinta-feira, 26 de abril de 2007

Nova video-produção!

O ritmo do merengue venezuelano distingue-se claramente de todos os outros ritmos sul-americanos - misto de samba, mambo e tango - com uma cadência e identidade própria.
Homenagem à "caraqueñita", (menina de Caracas, capital da Venezuela, pqns) - foi adicionada hoje a mais recente vídeo-produção Kalú:
"Caraqueñita".
É só clicar aí em baixo à direita onde diz Kalú Ed. & Prod. no YouTube <--- ou clicar aqui!

Enjoy!

Chuck Gary

sexta-feira, 20 de abril de 2007

Nova Produção: Casablanca

Nova produção publicada no YouTube:

Casablanca

http://www.youtube.com/watch?v=v-kAMGfzShY

"You must remember this...!"

Enjoy!

domingo, 1 de abril de 2007

Novos videos no YouTube!

Mais duas novas produções:
You're The Top [http://www.youtube.com/watch?v=Tr7TdKbAjJs],
e Alsace [http://www.youtube.com/watch?v=rMzXd1NERAw]

UMA SANTA E FELIZ PÁSCOA A TODOS!

quinta-feira, 22 de março de 2007

Novo Vídeo no YouTube

Nova produção! Video de sequência de fotos estáticas da Escócia, ao som do "Mull of Kintyre" do Paul McCartney & Wings. Para quem não sabe, Mull of Kintyre é um promontório sobre o mar na ponta da península de Kintyre, na costa Oeste da Escócia - é uma das últimas fotos da sequência. Se gostarem, comentem, aqui ou lá no YouTube - link aqui à direita----------->

segunda-feira, 19 de março de 2007

O que é ser Pai?

Ser Pai é ser Jardineiro.
O Jardineiro cultiva uma planta, vê os seus ramos e folhas crescerem e as suas flores desabrocharem; aduba-a, rega-a, molda-a e poda-a, de modo a que cresça mais viçosa, dá-lhe todo o amor e carinho para depois ter a alegria de a ver e sentir feliz.
O Jardineiro tem orgulho no seu canteiro de jardim bem cuidado e observa-o embevecido, florir a cada nova Primavera.
O Jardineiro gosta de sentir o cansaço de quem corre por gosto, para proteger o seu pomar contra tudo e contra todos, que lhe possam fazer mal.
E sente, com humildade, orgulho e reconhecimento por obra feita, quando algum visitante comenta: "que feliz me senti hoje ao admirar o seu jardim!" ou "que belos frutos dá o seu pomar!"
É assim, tal e qual, ser Pai.

Novo Àlbum na Galeria - Cabo da Roca

O quê, mas há paisagens destas em Portugal?

sábado, 17 de março de 2007

Novo Àlbum de Fotos

Novo Àlbum de Fotos: Sintra - Mágica, misteriosa e linda; se arranjasse o tema musical adequado produzia o vídeo...
Any suggestions?

quarta-feira, 14 de março de 2007

Novo Link: Chuck Gary's Photo Gallery!

Novo Link: A minha Galeria de Àlbuns de Fotos na Web (Google/Picasa).
Assim deixo de postar cada àlbum aqui - pósto a novidade e vós clikais o link!
A Google tá muuuuuito à frente!

Novo Àlbum - Paisagens de Portugal

É sempre com espanto que constatamos que "cá em casa" também há paisagens lindíssimas!
Mais sobre paisagens de Portugal, brevemente.

terça-feira, 13 de março de 2007

Novo Àlbum

Adicionei um novo àlbum de fotos - tema: espaço!
Só falta ter conhecimentos suficientes de HTML para pôr os ícones dos àlbuns uns ao lado dos outros...
Entretanto...enjoy!

Novo vídeo no YouTube

Novo vídeo produções Kalú: Cesária Évora - Sodade

Cliquem no link ao lado --------------------------->

domingo, 11 de março de 2007

2º Post: fotos

Adicionei um Àlbum de fotografias com o "Picasa". Questão: qual a categoria de fotos a escolher para o primeiro Àlbum? Comecemos por "Natureza"! Algumas destas fotos foram usadas nos meus vídeos, especialmente no "Sail Away".
Mais Àlbuns se seguirão...!
Enjoy!

1º post, 1º blog

Primeiro "post" (correspondência em português: anúncio, édito?)
Parece que a "Blogger.com" versão portuguesa lhes chama "postagens" - pois, sim.
Primeiro "blog" (não tem tradução - algo como "painel de afixação público").
A "Produções Kalú" tinha que entrar neste meio. Mais adiante veremos o que se pode "publicar". Para já, apenas a "ideia" de ter ideias. Aceitam-se sugestões.
Bem-vindos ao Blog do Chuck Gary, artista emérito da Produções Kalú - Edições e Publicações.
Espero que já tenham tido oportunidade de desfrutar de alguns dos meus fenomenais trabalhos, publicados ("postados" - o verbo existe em português) no site da YouTube. Ao lado, tendes o 1º "link" (palavra sublinhada "clicável" que nos leva a outro "site") deste blog: o canal da PK no YouTube, com os meus vídeos e não só, mas também.
É isso mesmo vídeos! Ou "video-clips": pequenos filmes, sequências de àudio-vídeo, "música ao som de imagens"!
Há quem já anseie pelo dia em que me porei em campo, com máquina de filmar em riste, ilustrando a vida. Alto lá! Ainda tenho muito que aprender e que investir, antes de chegar esse dia. Por agora, apenas sequências de fotos ilustrando músicas, mais ou menos famosas. Ou música "ilustrando" fotos (porque não?) mais ou menos famosas (embora já comece a utilizar sequências de imagens em movimento - "footage").
Há também quem pergunte: "...e esse investimento, tem retorno?" Para já, arte pela arte! ("Epuisés, mais ravis...!")
Bem, como primeiro post do primeiro blog, "num tá mal"!
Next!